terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Luna, a capricorniana

video

Dia  13/01/2011, a Luna quis respirar por conta própria...sentir o cheiro da mamãe e do papai, saber como era o rosto daquelas pessoas que tanto falavam com ela lá dentro do ninho.Sentir o gosto do leite, e abrir os olhos para o mundo. Com a mãozinha no rosto (sim, nasceu assim mesmo) chegou aqui impressionada! Impressionada por tanto amor e calor humano. Paulinha, mãe leoa! Vivenciou o parto com toda intesidade que uma mulher deve ter.Se libertou, conquistou o direito de ser mãe ao seu modo...LIVRE!Papai Gil, lambendo a cria desde o primeiro minuto. E a lua, crescente no céu. O amor sempre vence...e eu cada vez mais feliz por participar disso...SEJA BEM VINDA ABENÇOADA LUNA!

domingo, 9 de janeiro de 2011

Nascer Sorrindo Caxias I - 2011

Ufaaa...estou atrasadissíma!!Vou postar duas coisas pra compesar...hehehe!

Foi dia 04/01/2011 no Espaço da Ivete, que demos mais um passo nessa estrada que ainda está sendo construída.Natália e o pequeno Athos, Bruna e seu pequeno Mig, Ivete, Giovana e seu Luca, Chiara barriguda e Jesus, Paula e Narada, Paula barriguda e Gil , eu e minha Marina. Em um círculo de dúvidas, de dádivas, de busca, de conhecimento. Abordamos assuntos variados, traçamos alguns caminhos para os próximos encontros, assistimos a delícia de vídeo do nascimento do Miguel. É bom demais poder ajudar, encontrar auxílio e superar nossas dificuldades. Fizemos a barriga de gesso da Paulinha! Que bagunça boa...as crianças ajudaram,claro!! Vamos fazer isso com todas nossas gravidinhas!
Nosso próximo encontro já ficou marcado para dia 02/02 - 19h  no mesmo local.






Dia 02/02 - Espero vocês lá!!!

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

MAP - Musculatura do Assoalho Pélvico & Massagem Perineal


- Oi Doutora!Quero ter um parto normal !!
- Como assim? Você está preparada? Se preparou?
- Me preparei?Acho que sim...afinal estou grávida!
- Você acha que é simples assim?Não, não ... no seu caso, acho melhor uma cesárea!

O desencorajamento age por muitas frentes.Se não é por um motivo, passa a ser por outro.
Então preste atenção as suas capacidades.Nunca é tarde para transformar, reverter e até mesmo se "preparar". O parto não deve ser pensado somente uma semana antes antes da data prevista.Acredito até que a maioria das mulheres que descobrem que estão grávidas, logo pensam no momento da saída do bebê.
A mulher moderna acabou se tornando sedentária. Mas não como uma opção.Sentadas na frente da TV, do computador, para o banco do carro...Deixamos de usar nossa musculatura das pernas, de nos agacharmos, de caminhar em nome do tempo e da praticidade.Se preparar para o parto? Sim, isso é necessário! Mas a preparação começa antes de tudo na sua cabeça, na sua vontade.Depois a parte física.Yoga, Hidro, Caminhadas, Exercícios específicos, que até ja mencionei aqui e também a Massagem Perineal, a qual o companheiro pode auxiliar. Tudo é válido para preparar o Assoalho Pélvico.O que é isso? É justamente o chão, a sustentação muscular de alguns orgãos da cavidade abdominal, que são de extrema importância tanto na gravidez como no parto.

Onde fica a Musculatura do Assoalho Pélvico (MAP)? O que ela faz?

A área destacada na figura a esquerda mostra a vista externa da região do períneo, que vai da sínfise púbica (osso palpado um pouco acima do clitóris) até o cóccix (final da coluna vertebral, logo acima do ânus).
À direita, o esqueleto da mesma região, fechado pela musculatura do assoalho pélvico (MAP). Esta abertura é o canal de parto.
A MAP está disposta como uma cama elástica sobre a qual repousam os órgãos pélvicos (útero, bexiga, ovários, etc). É perfurada por três canais (uretra, vagina e reto), que são amassados quando essa musculatura é contraída.
Ela circunda, como um grande anel, a porção mais externa do canal vaginal (a cerca de 3 cm para dentro, logo após a entrada). Esta altura, onde a MAP atravessa a vagina, é conhecida como linha da MAP (veja na figura abaixo).
É a MAP a responsável pela sensação de pressão sentida no ato sexual e na penetração, tanto pela mulher quanto pelo parceiro justamente naquela altura da vagina. É também o único local da vagina onde pode ser sentida alguma contração muscular voluntária (por vontade própria).

Como a MAP controla a pressão vaginal, o fluxo de urina, gases, fezes e ainda as posições dos órgãos pélvicos?

Ao ser contraída, a MAP suspende os órgãos pélvicos, mantendo-os em suas posições normais e evitando que os ligamentos (que amarram esses órgãos aos ossos, como cordas) sejam sobrecarregados e lesionados.
Por estar situada no final (saída) da uretra, da vagina e do reto, esta contração também faz uma constrição (aperto circular, como num nó) ao redor destes canais, auxiliando nas funções de cada um deles:
1. constrição da uretra - ajuda no controle do fluxo urinário ao manter a uretra bem apoiada e fechada;
2. constrição do reto - ajudam no controle do fluxo de gases e fezes, valvulando o reto em ação conjunta ao esfíncter anal;
3. constrição da vagina - mantém o "tônus" vaginal (vagina "apertada"), ao pressioná-la contra a sínfise púbica.
Todos os músculos que compõem o assoalho pélvico são ativados por um único nervo (chamado pudendo). Na prática isto significa que não é possível contrair um deles isoladamente sem contrair todo o resto ao mesmo tempo, e ao redor dos três canais simultaneamente. É impossível contrair, por exemplo, apenas ao redor da vagina enquanto se relaxa a porção ao redor do ânus.




O que é massagem perineal?

É um tipo específico e delicado de massagem realizada na região genital feminina ou, mais especificamente, na região do períneo. No geral a manobra trabalha toda a pele e adjacências da entrada do canal vaginal mas tem enfoque na porção muscular (MAP), localizada há cerca de 2 centímetros para dentro da vagina e envolvendo o canal quase como um nó.

Qual a função deste tipo de massagem?

A função principal da massagem perineal é permitir um relaxamento progressivo da MAP, especificamente na entrada do canal vaginal, além dos tecidos locais adjacentes (pele, camada subcutânea, pequenos músculos circunvaginais superficiais, etc).
É importante na preparação para o parto, quando o aumento na elasticidade da abertura vaginal é importante para a minimização de lesões que por ventura possam ocorrer. Por promover este alongamento da entrada do canal vaginal, a realização de massagem perineal no pré-natal (desde que realizada de maneira correta e na frequência necessária) tende a reduzir a necessidade de episiotomia.

Como ela funciona?

A partir de lentos e delicados movimentos circulares, num primeiro momento ao redor da entrada do canal vaginal, a massagem tenta relaxar e alongar progressivamente os tecidos cutâneos e subcutâneos (pele, gordura, anexos e pequenos músculos superficiais).
Posteriormente os movimentos são concentrados na entrada da vagina há cerca de 1 centímetro para dentro, antes da linha da MAP (região muscular há cerca de 2 centímetros para dentro da vagina). O objetivo ainda é de alongar e relaxar o local.
Num terceiro momento o foco é a MAP, localizada há cerca de 2 a 3 centímetros para dentro do canal vaginal. Por se tratar de uma região de musculatura mais forte normalmente é necessário um pouco mais de pressão, respeitando-se a delicadeza da região. Aqui o objetivo principal é a mobilização e o alongamento da MAP.
Nesta altura a massagem perineal contribui de maneira decisiva para a conscientização e auto-percepção da mulher para com esta musculatura, fundamentais para o relaxamento consciente do local, necessários para a passagem do bebê.

Como é realizada?

A melhor posição para a realização da massagem perineal é a chamada posição ginecológica (a mesma do consultório do ginecologista: deitada da maneira mais confortável possível, pernas afastadas e pés apoiados). Outras posições alternativas são a sentada ou, em último caso, em pé com as pernas afastadas, como na auto-massagem realizada pela própria mulher, por exemplo, durante o banho.
Após a verificação do médico de que não existem problemas ginecológicos como infecções e tomados os cuidados de proteção individual (luvas, etc), os dedos do terapeuta (ou da própria mulher) devem se lubrificados com gel específico para este fim. Movimentos circulares delicados com dois dedos devem ser iniciados ao redor da entrada do canal vaginal, concentrados na porção posterior (parte de trás da entrada da vagina, perto do ânus).
Não massageie a região da uretra (pequeno orifício, um pouco difícil de observar, mas por onde sai a urina, logo abaixo do clitóris) para evitar irritação e infecções.
Após ter conseguido o relaxamento suficiente da região superficial os dedos (ou um dedo, dependendo do caso e dos objetivos do tratamento) devem ser lentamente introduzidos na entrada do canal vaginal. Os movimentos circulares devem ser substituídos por semi-círculos (deslizamentos em forma de "U"). Deve-se procurar a linha da MAP - local onde se encontra esta musculatura, há cerca de 2 centímetros para dentro da vagina: é um local mais "apertado", onde é sentida por exemplo a pressão durante o ato sexual.
Depois de encontrar a MAP a metade dos dedos, levemente curvados para dentro da vagina, deve ser posicionada na altura dela, puxando a musculatura para baixo (na direção do ânus). Deve-se observar uma sensação igual ao alongamento muscular (como por exemplo ao alongar outro músculo antes de uma atividade física).
Esta sensação do alongamento (semelhante a um leve desconforto, latejante, ou uma ardência mais profunda - que não na pele) deve ser sustentado até que diminua ou desapareça (o que leva cerca de 20 a 30 segundos, normalmente).
Caso sinta algum desconforto diferente, maior ou dor interrompa a massagem e contate seu fisioterapeuta especialista ou médico ginecologista.
Na sequência deve-se aliviar a pressão e retornar aos movimentos em "U", repetindo em seguida a pressão para cada um dos lados da vagina (na direção de cada uma das coxas) do mesmo modo que foi descrito acima.
Por fim podem ser realizados suaves "movimentos de serra" (deslizando os dedos em vai-e-vem, entrando e saindo da vagina, juntamente com o movimento de deslizar os dedos em forma de "U"). Se a massagem for realizada por outra pessoa que não a mulher, converse sempre durante o procedimento para que o grau de "força" dos movimentos sejam suficiente confortáveis. A massagem pode ser realizada até mesmo todos os dias, de acordo com o plano de tratamento e a necessidade de cada caso.